Cordeiros ao abate



Deveríamos poder congelar o tempo com tanta facilidade como que ficamos sem respirar, passo após passo, sentir a respiração cada vez mais alto e pesada como se carregasse um fardo muito maior que conseguimos sustentar. Manter a mente vazia transbordando em devaneios carregados de incertezas da morte, cada desgosto experimentado em diversas decisões tomadas, antes de apontar o arco e ver a flecha sair pela culatra.
Correr pelo vazio tão cheio de felicidades tão vazias agora. Sendo o cordeiro do abate com a prioridade de andar com tranquilidade, considerando não ter mais um respiro, enxergando várias decisões desabrochando.

2 comentários:

  1. Olá, está muito lindo o teu texto. Já agora sou a talvezdecerto e vim dar a tal vista de olhos que me pediste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito grata e espero que volte logo.

      Excluir